Site Overlay

O requisito do Windows 11 TPM 2.0 tem uma exceção especial

O requisito do Windows 11 TPM 2.0 tem uma exceção especial

O interesse no próximo grande lançamento do Windows da Microsoft imediatamente se transformou em confusão sobre os requisitos de hardware para executar o Windows 11. Uma das partes mais controversas desse requisito é o TPM ou o hardware criptográfico Trusted Platform Module. Onde antes era considerado um requisito de “piso suave”, a Microsoft acaba de elevar o TPM 2.0 como o requisito rígido do Windows 11. Acontece que pode não ser tão difícil, já que a Microsoft está disposta a renunciar para certos casos e mercados especiais.

O TPM não é exatamente novo e muitos computadores modernos já têm esse criptoprocessador pré-instalado. É claro que é uma tecnologia da Microsoft, mas a maioria dos fornecedores o faz para atender aos requisitos mínimos de Redmond para a certificação de certos sistemas como seguros, especialmente para uso empresarial. O problema, entretanto, é que nem todos os PCs com Windows hoje têm o hardware TPM 2.0 mais recente e alguns têm esses chips desativados.

A Microsoft está fazendo um grande estardalhaço sobre o TPM 2.0, principalmente em resposta às críticas por um requisito tão difícil que imediatamente torna alguns PCs com Windows 10 inelegíveis para receber o Windows 11. Claro, ela usa a segurança como a razão por trás dessa decisão e argumenta que há já muitos PCs pré-construídos com TPM 2.0 incluído. No entanto, não diz nada sobre aqueles que constroem seus próprios PCs.

Acontece, entretanto, que a Microsoft está disposta a desconsiderar esses princípios de segurança em alguns casos. Tom’s Hardware descobriu uma pequena cláusula nos Requisitos Mínimos de Hardware do Windows 11 de 16 páginas que diz que algumas imagens personalizadas não exigem que o TPM seja habilitado. O site teoriza que esse será o caso para versões personalizadas do Windows distribuídas na China e na Rússia, que não usam TPM ou até mesmo não o permitem.

Para ser claro, a cláusula cobre apenas se o TPM está habilitado ou desabilitado, mas ainda pode exigir que o hardware do criptoprocessador esteja presente, mesmo que não seja usado. Ainda assim, esta revelação pode gerar reclamações sobre os requisitos rígidos da Microsoft e forçar certos agentes a criar versões não oficiais do Windows 11 que não requerem TPM de forma alguma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.